Escorpião; o mago interior

signo escorpião Existem no Zodíaco três manifestações diferentes de energia; Cardeal, Fixa e Mutável. As três energizam o Útero Cósmico Zodiacal com movimentos de arranque (Cardeal), de condensação, (Fixa), e transmutação, (Mutável). Um ciclo Uroborico, onde o que se inicia, se solidifica e, no completar-se, se transmuta para, em um salto quântico, realizar-se um novo início. De comum acordo, a ciência astrológica define os signos que se movem em uma energia Fixa como portais dos Avatares. 

O signo Fixo do elemento fogo é Leão, do elemento terra é Touro, do elemento ar é Aquário, e do elemento Agua é Escorpião. Todos eles têm o legado de estabilizar a energia cardeal que os precede. Na sequência Zodiacal, Touro ancora a força vital que surge na urgência de ser vida, Leão ancora a expressão vital, que se reconhece pertencente a uma família, no arquétipo do ego, Aquário ancora o novo homem que renasce com a consciência cósmica. Escorpião se encontra entre a densidade leonina e aquariana. O seu oposto é a energia taurina, densidade da urgência de ser vida, o indivíduo.

Posicionar o signo dentro do Zodíaco é indispensável para uma real interpretação arquetípica do signo em questão. Escorpião, então, é o terceiro movimento energético fixo, sua posição revela a transição entre a forca centrípeta do ego, Leão, e a forca centrípeta da consciência cósmica, Aquário. A tensão oposta a esse signo fixo de água, é Touro, que, no seu movimento de ancoramento da vida individual, que explode em Áries, traz a forca da posse, a afirmação saudável “eu sou meu!”. O oposto dessa proclamação de posse e outra afirmação, “eu sou teu!”  Meu – Teu. Duas forças fixas, quer dizer, densas, centrípetas, movimentos energéticos estáveis, imóveis, arraigados. 

Nesse sentido, o “Meu” significa um movimento energético fixo de Terra, que dá um “peso” visível, palpável, audível e olfativo a intensa energia da urgência cardeal de ser indivíduo; energia, essa, de fogo, impulsiva, impulsora, totalmente individual e original. O grito do ser vivo que surge do silêncio sem forma de Peixes. Eu! Áries explode. O ‘Meu’ Crava energeticamente Touro. Em uma solidariedade irremovível, o signo fixo de terra, condensa um corpo cravejado de sentidos que devolvem tudo que entra em contato com o ser vivo, para dentro, em um movimento de reflexão, de posse. A plena dedicação de Touro é o movimento fiel de SER EU, a segurança de que EU, vida, SOU MEU. 

Sempre me encanta a forca da energia fixa, o amor fiel que se revela como peso, ou seja, fidelidade a uma experiência tão frágil e incerta, qual é um início. O signo fixo não pensa, não discute, ela simplesmente é a manifestação sólida e inamovível frente a exigência de segurança que qualquer início precisa. Mais que acolher, CONFIRMA, SOLIDIFICA E FINCA o que era um broto de projeto. 

Escorpião se põem em oposição, com toda a força também de energia fixa, como refutação, contestação a Touro. Uma força tanto quanto sólida e arredável, do lado oposto se estabelece: o “TEU”. No nosso mapa podemos visualizar onde proclamamos, em oposição e com a mesma força e fidelidade, a nós mesmo: EU SOU MEU e EU SOU TEU. Touro é a expressão fiel e sólida de Áries, Escorpião é a expressão segura e inamovível de Libra. Essa tensão existente no nosso mapa se chama o eixo da segurança. Em uma interpretação de mapa, quando queremos entender qual é a forca energética que expressa o significado arquetípico de segurança, olharemos o eixo Touro – Escorpião.  

O “TEU” se expressa em Escorpião na parte do mapa que chamamos do Pensamento, aqui começa a metade superior do mapa Zodiacal, podemos chamá-lo de um novo início, um novo Leste, afirma a astrologia humanista. Na posição do Zodíaco, na eclíptica, esse ponto do mapa corresponde ao equinócio, assim como o seu oposto, Áries. Libra representa energeticamente esse novo começo na sua força cardeal de Ar. Recomeçamos, essa vez a partir do pensamento, diz Libra à Áries. Podemos então dizer também que a casa 7, que projeta a energia de Libra pode ser a casa 1 e, então, Escorpião, projeta a sua energia na casa 2. 

Os alquimistas, para transformar uma substância em outra, usavam um forno, Athanor, era introduzido nele uma substância e com a ação noturna e negra de Mercúrio, a substância era diluída; e atrever da ação do fogo transubstanciada em uma nova liga. Uma radical mutação, uma morte do que era, seguida por uma vida totalmente OUTRA, fixada pela força do fogo.  O forno se tornou símbolo da grande Obra da Alquimia, a magia de saber transubstanciar uma substância em outra. 

O microcosmo, na noite da dissolução, se entrega ao fogo do Sol eterno, se faz capaz de se reconhecer no esplendor e no equilíbrio do macrocosmo. Um salto feito na noite da absoluta fé, onde desisto, microcosmo, de o que é meu e me volto à grande Luz. Nesse encontro nasce um novo luminoso meu, que se chama Amor. No novo Leste, o sol surge, não a partir da minha interpretação individual, mas o novo dia surge a partir de um valor que nasce de onde eu venho e não de onde eu estou. O que me move é o pensamento-intuição. 

Os antigos Herméticos eram iniciados em Alexandria, em um templo onde precisavam descer nas profundezas da terra e ai, na imobilidade e no silêncio, recebiam a grande revelação da própria dignidade: ser parte da criatividade divina. Obtinham a percepção da centelha divina. Uma iniciação à uma nova forma de conhecimento, que os fazia capazes de procurar Deus em si mesmos, onde estava a verdade interior. Uma iniciação que os deixavam livres de qualquer necessidade de cultos externos e hierarquias. O hermetismo acredita que em cada um de nós exista uma centelha divina e, para expandi-la, é necessário falar com ela. E para falar com ela é preciso conhecer a sua linguagem. Essa é a força arquetípica Cardeal de Libra: a força do pensamento, a partir da centelha divina que habita em mim. Isso é o significado arquetípico do encontro, do novo leste, do novo início de uma nova iniciação.

O novo Leste surge dentro mim, dentro de você, dentro de cada um de nós! Esse movimento energético se entrega ao outro movimento energético, o de Escorpião. A força cardeal do elemento Ar deixa a sequência da grande Obra a força fiel do signo fixo de água.

Lembra aquela força oposta, determinada, cravejada taurina...precisa morrer! O pequeno senhor das pequenas coisas e dos pequenos egóicos reinos precisa se dissolver, os reduzidos sensores e preceptores do mundo, chamados sentidos, estão prontos para se transubstanciar na forca sensitiva divina. A energia da balança, o pensamento justo respeito a mim, ao quem eu sou, me faz capaz de entrar nas águas de fogo de Escorpião, onde fazemos a grande experiência de transubstanciar a força “egóica” leonina em forca gratuita e amorosa do “amor-servir-o outro”.  Libra, esse novo leste, novo equinócio, revela, assume, reorganiza a partir de um Encontro, a caminhada do nosso herói interior. 

Por onde irei caminhar agora que TE vi transbordante de amor criativo, se não definitivamente morando em TI! TEU, porquê estou pronta para o transplante de memória nas águas de fogo do ‘Athanor’.

TEU, para sempre declara o herói interior, pronto para entrar nas mais profundas e arraigadas memórias emoções do próprio ego e pela força do novo AMOR morrer e matá-las, uma a uma. O que morre é tudo que é limitado, qualquer condição baseada na individualidade, restrita ao Ego, não só no sentido físico, material, mas também espiritual. E nesse grande vazio, cravejar na energia fixa o novo sol, o novo norte, o novo porto seguro: TEU.

O que se iniciou em Touro, se revela em plenitude em Escorpião. Na força da posse surge como fogo a nova memória cósmica de pertencimento: TEU E POR ISSO ENTREGUE.

Não é por acaso que a saída da via Láctea é entre Escorpião e Sagitário. O deus Anúbis, deus dos mortos, nos guia no tramitar de um novo dia, de uma nova galáxia de um novo ciclo, o último, Sagitário. O reino dos Justos!

Antonella Grossi

O Arcano

Blogs

Interatividade

Siga-nos

Apertura de cuenta bet365.es